quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Cadê a educação?



Minha comadre está estagiando em quatro colégios municipais da cidade do Recife. Quando foi selecionada chegou toda eufórica, pediu as amigas idéias, material para apresentar nas aulas. Ela está perto de concluir seu curso de pedagogia e cheia de entusiasmo seguiu para seu primeiro dia. A noite estava arrasada, me contou quase chorando de sua decepção. As escolas, algumas com horário integral, onde as crianças estudam o dia inteiro, bem equipadas, limpas pintadas, com biblioteca, professores, merenda, almoço e ... ... ... cadê a parte ruim? Porque a decepção? Ela me contou que numa das salas, quando abriu a porta para entrar, encontrou a professora escrevendo no quadro e os alunos no maior corre-corre, fazendo “aquela” bagunça, brigando, rasgando material...disse que é de arrepiar. As crianças não querem estudar, são mal educadas, sujas, violentas e confiantes, muito confiantes. Respondem aos professores, não respeitam ninguém, são ameaçadores.Numa sala de trinta crianças apenas três ou quatro fazem as tarefas. Segunda série e não sabem ler. Apenas uma professora conseguia manter seus alunos ocupados, mas no GRITO!
Escutou estórias horrorosas de crianças que tomam conta dos irmãos menores, outras de pais bêbados... viu algumas com hematomas nos braços. Estudar tanto, se dedicar, sair cheia de esperança e planos e ... .... se for dar aulas em uma escola particular ainda vai poder ver os resultados de seu trabalho, mas se for em escola pública....
Minhas filhas estudam numa escola pública e confesso, já chorei, me desesperei, agora faço o que posso. Ajudo, orientando nas tarefas, nunca fazendo por elas. Estou sempre atenta ao material, se falta algo, se quebra, procuro incentivar a leitura, convido para assistir documentários. Converso muito sobre as responsabilidades de cada um consigo mesmo. Dou exemplo com meu comportamento (acredito que elas aprendem mais vendo do que escutando), não falo palavrão, coloco lixo no lixo, separo, reciclo, economizo água, energia, papel, etc. Procuro não gritar, nem discutir, tenho bons hábitos de higiene e sou muito, muito carinhosa com elas e franca. Dia desses vi minha pequenininha agindo com sua boneca igualzinho a mim. Não sei se estou no caminho certo, isso só vou saber quando elas mesmas tomarem conta de suas vidas. Só sei que para cuidar delas não tenho preguiça. Talvez seja isso, alguns pais têem preguiça de cuidar, orientar seus filhos, e nesse deixa pra lá é assim mesmo vamos vendo crianças se tornando que tipo de adultos? E o que dizer para os futuros professores?
(Foto do Google)

7 comentários:

Geo disse...

Tenho curso técnico de magistério e, logo que me formei na faculdade, tive que ensinar a alunos de 5 a 8 serie da rede pública aqui de Salvador. O quadro não é diferente do que descreveu aí, infelizmente. Eu sentia agressividade e carência, ao mesmo tempo, nas crianças. Pareciam que não tinham pais em casa, ou pior, que tinham os piores exemplos. Estudei em escola pública até concluir a faculdade, então não podemos dizer simplesmente que a escola não presta. Se os pais educassem e dessem limites aos filhos, tudo seria melhor. Os professores querem trabalhar, mas não conseguem e os pais preferem culpar os professores do que olhar o erro em si mesmo.

Maria Salomé disse...

Querida

Sou solidária com sua amiga, pois meu filho deixou a faculdade de biologia no último ano, pois tinha que pagar uma cadeira de prática pedagógica e ele não suportou a sala de aula.
Aproveito para te desejar um maravilhoso fim de semana e pedir desculpas pela ausência, pois estou trabalhando numas pecinhas para a troqinha que estou participando.
Para mim você é 10 estrelas.
***** Amo você*****
Beijos carinhosos.
Salomé

Giselle disse...

Ritinha, eu sei o que é isso!Me formei em professora e só terminei porque já estava no fim do ano.Pois no meu último período de estágio, fui agredida pelas costas por uma menina.Tudo isso, com um pouco de psicologia e estratégia até dá pra ir aos poucos contornando.Mas agressão pelas costas sem nenhum motivo? Pra mim foi o fim.Aqui no Rio os alunos nem precisam ir a escola É só se matricular e esperar os anos passarem pois não há repetição;Tds são aprovados automaticamente.É lamentável.Bjs.Gí

Giselle disse...

As crianças aprendem mais com o que vêm do que com o que escutam...essa da bonequinha é ótima, mas um dia brinque com elas e faça o papel da filha e elas da mamãe.Aí vc realmente vai ver como está se saindo.O problema está na família.A base da sociedade é a família.Mas quando eu sento pra ver TV, só vejo famílias se agredindo e atores fazendo personagens onde o jargão é:Pais, são uma mala!"TENHO QUE IR NO CHATO ALMOÇO DE FAMÍLIA". Enquanto não restaurar o valores de família vai daí pra pior,infelizmente.Ensino pra meu filho, mas eu o levo pra distribuir os brinquedos dele p crianças orfãs.mostro as consequencias e que mais do que se afastar do mal é ajudar de alguma forma a acabar com este ciclo.Vc está no caminho certo eu tenho certeza!É a mãe perfeita.
Tô orgulhosa de vc.Tuas filhas vão guardar tudo isso que vc faz pra sempre!bj Gí

Anônimo disse...

Querida,sempre digo as minhas amigas tambem professoraa para nunca desanimarem.Vamos batalhar dentro das nossas casas com nossos filhos e netos,assim garantimos uma pequena parte que se multiplicará certamente...
Bom final de semana.
Beijoca.
Nilda.
http://meucantin5.blogspot.com/

anaeartes disse...

Ei amada...que experiencia intrigante!Meu sonho é lecionar em escolas de ensino fundamenta...hj trabalho com crianças na igreja onde congrego, tenho experiencias parecidas lá tb...Mas agente tem buscado estar com as crianças e ao mesmo tempo orientando os pais no que for necessário para descobrirmos o foco dos problemas...É dificil as crianças de hj estarem carinhosas, e obedientes quando são ensinadas pela mídia(atraves dos desenhos e jogos de video game e tb nas novelas de adultos e infantis...): violencia (mortes, brigas, guerras), rebeldia, misticismo, e sensualidade... Infelizmente só acontece mudança se os pais estiverem envolvidos, e ser carinhosa (o) om os filhos não é a unica solução, o que mais importante é além de ser carinhosa e compreensiva é mostrar o que está errado e disciplinas no momento certo, isso forme adolescentes abençoados, e adultos com caráter resolvido...essa é minha opinião espero que seja relevante...um grande bj e fica com papai do céu!!!!
ana

Giselle disse...

Rita, ontem fiz um comentário sobre o que nos contou.Mas estive pensando bastante e resolvi te mostrar o que uma pessoa disposta consegue realizar.Neste site www.doabrasil.org.br/amaja tem algumas coisinhas sobre uma ex-favela aqui do Rio.São só 220 casas, mas já é alguma coisa perto dos milhões de favelas do Brasil.No começo foi difícil convencer as pessoas, elas tentavam nos convencer que não tinha jeito pra vida delas, mas com o passar dos anos tudo mudou e virou o que tem alí.
Diga a tua comadre que não se deixe intimidar.Depois te explico melhor tudo por email.Ela não vai mudar o sistema, mas conseguirá salvar algumas deste ciclo.Acredito que o pior é fazer com que essas crianças acreditem que se elas quiserem do fundo do coração podem ser diferentes de tudo aquilo que convivem.Basta querer.Mas alguém tem de ajudar, e esta pessoa é a tua comadre.Deus colocou ela alí.E Sei que ela não tem medo de trabalho.Depois me fale:> delicada_flor2@yahoo.com.br